Clientes e Parceiros

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Somos uma empresa especializada em pinturas residenciais e comerciais de todos os portes. Após estudos dentro de nossa empresa adotamos metodologias próprias de pintura.

PINTURA INTERNA

Na Pequenas Reformas, entendemos que não estamos apenas entrando em um local de trabalho, mas na sua casa. Nós somos convidados em sua casa e nossos pintores sabem que a sua vida não para só porque nós estamos lá. Nós respeitamos isso realizando um serviço limpo, no prazo combinado e o mais discreto possível.

PINTURA EXTERNA

A pintura externa da sua casa deve ser não apenas esteticamente atraente, mas também tem de protegê-la contra as intempéries. Tem que ser feita corretamente ou então você terá que fazê-la novamente em poucos anos.

A Five Star Pinturas é especialista em pintura externa residencial. Nossos pintores conhecem as questões climáticas que sua casa irá enfrentar e eles garantirão que ela fique bonita e se mantenha assim pelo máximo tempo possível.

Para obter um bom resultado na pintura, é preciso cuidar bem de três aspectos:

 

  • a preparação da superfície a ser pintada;
  • a escolha da tinta e de produtos complementares;
  • a utilização das técnicas corretas para aplicação dos produtos.

 

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Montar uma rede doméstica é bem diferente de montar uma rede local de 100 pontos em uma empresa de médio porte. Não apenas porque o trabalho é mais complexo, mas também porque existem normas mais estritas a cumprir. O padrão para instalação de redes locais em prédios é o ANSI/TIA/EIA-568-B, que especifica normas para a instalação do cabeamento, topologia da rede e outros quesitos, que chamamos genericamente de cabeamento estruturado. No Brasil, temos a norma NBR 14565, publicada pela ABNT em 2001.

A norma da ABNT é ligeiramente diferente da norma internacional, a começar pelos nomes, que são modificados e traduzidos para o português, por isso vou procurar abordar os pontos centrais para que você entenda como o sistema funciona, sem entrar em detalhes pedanticos sobre a norma propriamente dita.

A idéia central do cabeamento estruturado é cabear todo o prédio de forma a colocar pontos de rede em todos os pontos onde eles possam ser necessários. Todos os cabos vão para um ponto central, onde ficam os switches e outros equipamentos de rede. Os pontos não precisam ficar necessariamente ativados, mas a instalação fica pronta para quando precisar ser usada. A idéia é que a longo prazo é mais barato instalar todo o cabeamento de uma vez, de preferência antes do local ser ocupado, do que ficar fazendo modificações cada vez que for preciso adicionar um novo ponto de rede.

Tudo começa com a sala de equipamento (equipment room), que é a área central da rede, onde ficam os servidores, switches e os roteadores principais. A idéia é que a sala de equipamento seja uma área de acesso restrito, onde os equipamentos fiquem fisicamente protegidos.

Em um prédio, a sala de equipamento ficaria normalmente no andar térreo. Seria inviável puxar um cabo separado para cada um dos pontos de rede do prédio, indo da sala de equipamento até cada ponto de rede individual, por isso é criado um segundo nível hierárquico, representado pelos armários de telecomunicações (telecommunications closed).

O armário de telecomunicações é um ponto de distribuição, de onde saem os cabos que vão até os pontos individuais. Normalmente é usado um rack, contendo todos os equipamentos, que é também instalado em uma sala ou em um armário de acesso restrito.

Além dos switches, um equipamento muito usado no armário de telecomunicações é o patch panel, ou painel de conexão. Ele é um intermediário entre as tomadas de parede e outros pontos de conexão e os switches da rede. Os cabos vindos dos pontos individuais são numerados e instalados em portas correspondentes do patch panel e as portas utilizadas são então ligadas aos switches:

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A Acústica Brasília também desenvolve os seus projetos. Usando os melhores programas de desenho técnico, temos visualizações realistas em 3D que lhe mostram como ficarão os seus projetos.Experimente!

 
       

A Acústica Brasília possui profissionais especializados e maquinário moderno, altamente preciso, que nos dá total capacidade de atender as demandas mais exigentes e complexas de arquitetos, decoradores, construtoras e particulares.

Que tal a casa com os móveis dos seus sonhos?

E esse sonho pode ser só seu com os nossos móveis  sob medida, perfeitos para a medida

da sua imaginação. 

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
  • Madeira maciça, do tipo que é usada nas comparações com o MDF, é um tipo de madeira que foi colhido e cortado em tábuas maciças, e trabalhados para se tornarem móveis, pisos, paredes, artesanato, etc. Os tipos mais comuns de madeira utilizados são mogno, cerejeira, carvalho, pinus, angelim pedra, cumaru.

    Painéis de partículas, como o MDF e o compensado, são placas de partículas de madeiras ou placas muito finas de madeira coladas e prensadas para formarem as “tábuas” de MDF.

    Móveis de madeira ou MDF? MDF ou compensado? Planejados de madeira ou MDF?

    Sabendo que cada um dos materiais tem qualidades e defeitos diferentes, podemos pensar em uma comparação que estabelece um sendo melhor do que o outro, o que não é verdade. Os dois materiais tem suas vantagens e desvantagens para cada tipo diferente de projeto, e não dá para generalizar. Até a região onde você mora influencia no tipo de material que você deve usar no seu projeto. Vamos mostrar isso no nosso comparativo.

    Aparência do MDF e da Madeira

    Madeira maciça tem, naturalmente, uma aparência mais rústica, bonita. Os veios da madeira dão um toque extra na decoração de qualquer casa. O MDF tem um acabamento cru, que pode ser decorado até com laminados que simulam a madeira real.

    Se você não quiser o acabamento cru, terá que pagar pelos laminados. No custo total geral, se aparência é um critério importante, o MDF sai em desvantagem, porque sempre terá que receber algum tipo de laminado.

    Durabilidade do MDF e da Madeira

    A madeira sólida é durável, e com cuidado apropriado, vai durar por gerações. Mesmo madeiras menos densas, como o pinus, podem durar anos com a conservação certa.

    Tábuas de MDF são menos resistentes a danos causados pela água, e podem ser criadouros de mofo e fungos. Além disso, as tábuas de MDF se desintegram com umidade. Alguns tipos de MDF misturam partículas plásticas em sua composição, que os tornam mais resistentes à água.

    Para regiões secas, ou áreas na casa onde não há umidade em nenhuma época do ano, o MDF tem uma leve vantagem por ser mais maleável e barato. Para regiões úmidas, mesmo quando essa umidade é só em uma época do ano (chuvas), ou para regiões perto do mar e rios, não há como fugir: madeira é a melhor opção.

     

    Nota: mesmo quando o MDF é protegido por um laminado, com o tempo, a água vai encontrar seu caminho nas juntas do MDF, ele começará a “inchar” e finalmente, se desintegrará por completo.

    O que é o MDF

    O MDF é uma placa prensada a alta temperatura e que se forma a partir de minúsculas partículas de madeira. (Foto: ifabstudio.com)

    Manutenção do MDF e da Madeira

    Pequenos cortes e arranhões podem ser facilmente retocados na madeira. Além disso, o acabamento do mobiliário pode ser mudado com mais facilidade, colocando laminados ou mesmo trocando o tipo de verniz que foi colocado sobre a madeira. Mesmo danos por umidade podem ser consertados com mais facilidade.

    No MDF, os danos são mais visíveis e difíceis de consertar, principalmente após receber o acabamento do laminado. É quase impossível remover todo o laminado de uma peça de MDF. E quando você consegue, o MDF pode ficar bem danificado no processo. Danos por umidade precisam da troca da peça inteira.

    Grande vantagem para a madeira aqui, que reduz os custos de manutenção no médio e longo prazo.

    Maleabilidade do MDF e da Madeira

    A madeira maciça permite, com facilidade, que você possa esculpir detalhes e ornamentações em qualquer placa. Isto é especialmente importante em peças que requerem muitas curvas na madeira. Mesmo para a madeira mais dura, há ferramentas para o trabalho. Porém, na construção de uma peça de madeira, o marceneiro ou carpinteiro tem de escolher as tábuas com cuidado, além de conectá-las respeitando a expansão da madeira causada pela umidade, e outros fatores. É mais tempo gasto para fazer uma peça de madeira maciça. A madeira também suporta mais peso que o MDF sem ceder. 

    MDF é fácil de planejar e tem alta maleabilidade, apesar de não ter muita estrutura para suporte de peso. Principalmente para quem usa cortadores de madeira automatizados, os cortes em MDF são muito fáceis de fazer. Esculpir no MDF já é um pouco mais difícil, porque a peça pode simplesmente desintegrar na sua mão. Mas o MDF é fácil de estruturar em peças conectadas, sem muita preocupação com a expansão das placas.

    Vantagem aqui para o MDF na facilidade para uso em diversos projetos, menos os que envolvam suporte de peso e ação do tempo (água, calor, etc). Vantagem para a Madeira nos projetos que envolvam suporte de peso e ação do tempo.

    Quais as vantagens da madeira?

    A madeira tem uma aparência muito mais natural, que pode ser mais facilmente personalizada após alguns anos. (Foto: images2inspire.com)

    Preço do MDF e da Madeira

    Para construir, por exemplo, um móvel de madeira, é necessário conectar várias tábuas para fazer uma maior. O rendimento de cada árvore para produzir uma quantidade X de tábuas é também limitado, o que eleva um pouco os custos da madeira, mesmo as de menor densidade. Algumas partes da árvore são descartadas, e não dá pra aproveitar a árvore inteira para fazer tábuas. Na mão de obra, como o projeto com madeira demanda mais tempo, ela acaba ficando mais cara. Além disso, hoje em dia são poucos marceneiros e carpinteiros que ainda trabalham com madeira pura no Brasil.

    Já o MDF tem placas de diversos tamanhos, que podem receber reforços estruturais quando são grandes demais, para não se curvarem ao próprio peso. Mesmo quando reforçadas, as placas de MDF são mais baratas do que tábuas de madeira, principalmente porque as partículas de várias árvores são usadas para fazer as placas de MDF. Praticamente toda a árvore é aproveitada para fazer uma placa de MDF. Na mão de obra, como demora menos temo no projeto e execução, o MDF fica mais barato. Além disso, existem mais profissionais trabalhando com MDF do que com madeira, hoje em dia, no Brasil.

    Ponto para o MDF.

    Nota: recentemente, um casal de amigos teve vários problemas com móveis de MDF, principalmente com os móveis cedendo ao próprio peso e mofo. Se eles tivesse investido em um projeto melhor para os móveis, ou usado madeira, isso não teria acontecido. O mais barato pode sair bem caro

    Abaixo, o vídeo explica em detalhes um pouco sobre os tipos de MDF, para te ajudar no seu projeto. 

    Qual é melhor? Madeira ou MDF?

    Depende do seu projeto e também, seu gosto pessoal. Acima de tudo, você vai depender do dinheiro que tem disponível. Isso, principalmente, se deve ao fato que é muito difícil achar profissionais que trabalham com madeira hoje em dia. Os que trabalham, cobram muito caro, tornando os custos proibitivos para muitas pessoas. Mas no longo prazo, na maioria das vezes, os custos iniciais do trabalho com a madeira se pagam com a menor manutenção que ela exige. Agora, não dá pra você querer fazer uma casa de madeira com MDF, né? É preciso uma boa dose de bom senso aqui.

    Tome cuidado ao confiar em profissionais da área para te dar conselhos sobre isso. Muitos vão vender o próprio peixe, apenas. Tentamos ser o mais imparciais possíveis aqui, para te ajudar a decidir no que é certo para seu projeto e objetivo.

    Qual dos materiais você prefere? Qual você pretende usar no seu projeto?

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 “A ergonomia, como técnica de prevenção de males ao ser humano, deveria ser usada no dia a dia, em nossas casas, escritório, no carro que dirigimos, a fim de se evitar futuros problemas de saúde, muitas vezes ignoradas as suas causas. Enfim, em cada tarefa que exija dispêndio de energia do ser humano, deveria ser visto com outros olhos, pensado uma forma mais confortável de realizá-lo”. Acústica Brasília
 

Para a criação de qualquer tipo de móvel existem medidas pré-estabelecidas para trazer conforto e funcionalidade. Essas medidas não são fixas, pois podem e devem variar conforme as necessidades específicas de cada pessoa. E é devido a isso que a melhor escolha são os móveis feitos sob medida.


 Medidas ergonômicas para a elaboração de um armário / um closet:

Partes de um closet. Fonte: Portal Clique Arquitetura.

 

  1. Prateleiras superiores – vão de 45 cm de altura (área de difícil alcance para a maioria das pessoas, ideal para guardar malas e objetos de uso esporádico);
  2. Araras para ternos, blazers e camisas – vão de 110 cm de altura;
  3. Araras para vestido e casacos longos – vão de 165 cm de altura;
  4. Calceiro – vão de 85 cm de altura;
  5. Gavetas para acessórios – 10 cm de altura (medida interna);
  6. Gavetas para roupas – 18 cm de altura (medida interna);
  7. Largura prateleiras: mínimo 50 cm (para que caibam duas pilhas de roupas dobradas lado-a-lado);
  8. Bandejas deslizantes – vão de 15 cm entre elas;
  9. Profundidade – 60 cm. (comportar cabides largos para os ternos e casacos);
  10. Profundidade para armários com portas de correr – 66 cm (6 cm para os trilhos);
  11. Área de circulação em frente ao armário – 70 cm (espaço mínimo);
  12. Área livre em frente ao armário para melhor visualização das roupas – 100 cm;
  13. Área livre entre dois armários posicionados frente a frente – 120 cm (espaço mínimo para a circulação de 2 pessoas);
  14. Altura total do armário – altura do pé direito do cômodo.

 

As portas poderão corresponder às divisões internas, quando seguir um padrão, ou poderão ser portas maiores. Exemplo: armário com 2m de extensão = 5 portas de 50cm cada ou 2 portas de 1m cada.E

Subcategorias

 Ergonomia

“A ergonomia, como técnica de prevenção de males ao ser humano, deveria ser usada no dia a dia, em nossas casas, escritório, no carro que dirigimos, a fim de se evitar futuros problemas de saúde, muitas vezes ignoradas as suas causas. Enfim, em cada tarefa que exija dispêndio de energia do ser humano, deveria ser visto com outros olhos, pensado uma forma mais confortável de realizá-lo”. HospMóveis
 

Para a criação de qualquer tipo de móvel existem medidas pré-estabelecidas para trazer conforto e funcionalidade. Essas medidas não são fixas, pois podem e devem variar conforme as necessidades específicas de cada pessoa. E é devido a isso que a melhor escolha são os móveis feitos sob medida.


 Medidas ergonômicas para a elaboração de um armário / um closet:

Partes de um closet. Fonte: Portal Clique Arquitetura.

 

  1. Prateleiras superiores – vão de 45 cm de altura (área de difícil alcance para a maioria das pessoas, ideal para guardar malas e objetos de uso esporádico);
  2. Araras para ternos, blazers e camisas – vão de 110 cm de altura;
  3. Araras para vestido e casacos longos – vão de 165 cm de altura;
  4. Calceiro – vão de 85 cm de altura;
  5. Gavetas para acessórios – 10 cm de altura (medida interna);
  6. Gavetas para roupas – 18 cm de altura (medida interna);
  7. Largura prateleiras: mínimo 50cm (para que caibam duas pilhas de roupas dobradas lado-a-lado);
  8. Bandejas deslizantes – vão de 15 cm entre elas;
  9. Profundidade – 60 cm. (comportar cabides largos para os ternos e casacos);
  10. Profundidade para armários com portas de correr – 66 cm (6 cm para os trilhos);
  11. Área de circulação em frente ao armário – 70 cm (espaço mínimo);
  12. Área livre em frente ao armário para melhor visualização das roupas – 100 cm;
  13. Área livre entre dois armários posicionados frente a frente – 120 cm (espaço mínimo para a circulação de 2 pessoas);
  14. Altura total do armário – altura do pé direito do cômodo.

 

As portas poderão corresponder às divisões internas, quando seguir um padrão, ou poderão ser portas maiores. Exemplo: armário com 2m de extensão = 5 portas de 50cm cada ou 2 portas de 1m cada.