Barulho é, por definição, um som indesejável. Ele varia em sua composição em termos de freqüência, intensidade e duração. Sons que são agradáveis para algumas pessoas podem ser desagradáveis para outras. Por exemplo, os sons de música poder ser divertidos para alguns, mas outros já os consideram lesivos. Então, para um som ser classificado como "barulho", este deve ser julgado pelo ouvinte.  

PERDA DE AUDIÇÃO INDUZIDA POR RUÍDO (BARULHO)

A exposição contínua a níveis de ruído superiores a 50 decibéis pode causar deficiência auditiva em algumas pessoas. Há variação considerável de indivíduo para indivíduo relativa à susceptibilidade ao barulho. Entretanto, padrões têm sido estabelecidos que indicam o quanto de som, em média, uma pessoa pode tolerar em relação ao prejuízo de sua saúde.

ATENÇÃO! O BARULHO PODE PREJUDICAR VOCÊ.

Muitos sons em nosso ambiente excedem estes padrões e a exposição contínua a esses sons pode causar até a perda da audição. A diferença em níveis de decibéis é maior do que se poderia esperar: 100 vezes mais energia sonora entra nos ouvidos em um ambiente de 95 dB do que num ambiente de 75 dB.

 

A perda auditiva típica observada com as pessoas que possuem uma longa história de exposição a ruído é caracterizada por perda de audição na faixa entre 3000 e 6000 Hz . Na fase precoce à exposição, uma perda de audição temporária é observada ao fim de um período, desaparecendo após algumas horas. A exposição contínua ao ruído resultará em perda auditiva permanente que será de natureza progressiva e se tornará notável subjetivamente ao trabalhador no decorrer do tempo. Estas mudanças nos limiares auditivos podem ser monitorados através de testes audiométricos e isto alertará os médicos que as medidas preventivas deverão ser iniciadas. Nos estágios avançados, uma perda de audição nas frequências altas afetará seriamente a habilidade para entender a fala normal. Em geral, pessoas com perdas auditivas nas frequências altas não experimentarão dificuldades para detectar a fala, mas terão problemas para entender conversações.

TABELA DE IMPACTO DE RUÍDOS NA SAÚDE - VOLUME/REAÇÃO EFEITOS NEGATIVOS EXEMPLOS DE EXPOSIÇÃO
 
VOLUME
 
REAÇÃO
 
EFEITOS NEGATIVOS
 
EXEMPLOS DE LOCAIS
 

Até 50 dB

 

Confortável (limite da OMS)

 

Nenhum

 


Rua sem tráfego.

 

Acima de 50 dB

 

O ORGANISMO HUMANO COMEÇA A SOFRER IMPACTOS DO RUÍDO.

 

De 55 a 65 dB

 

A pessoa fica em estado de alerta, não relaxa

 

Diminui o poder de concentração e prejudica a produtividade no trabalho intelectual.

 

Agência bancária

 

De 65 a 70 dB
(início das epidemias de ruído)

 

O organismo reage para tentar se adequar ao ambiente, minando as defesas

 

Aumenta o nível de cortisona no sangue, diminuindo a resistência imunológica. Induz a liberação de endorfina, tornando o organismo dependente. É por isso que muitas pessoas só conseguem dormir em locais silenciosos com o rádio ou TV ligados. Aumenta a concentração de colesterol no sangue.

 

Bar ou restaurante lotado

 

Acima de 70

 

O organismo fica sujeito a estresse degenerativo além de abalar a saúde mental

 

Aumentam os riscos de enfarte, infecções, entre outras doenças sérias

 

Praça de alimentação em shopping centers
Ruas de tráfego intenso.

Obs.: O quadro mostra ruídos inseridos no cotidiano das pessoas. Ruídos eventuais alcançam volumes mais altos. Um trio elétrico, por exemplo, chega facilmente a 130 dB(A), o que pode provocar perda auditiva induzida, temporária ou permanente.

ZUMBIDO INDUZIDO PELO BARULHO

Embora a causa exata de zumbido seja desconhecida, muitos pacientes que têm história de exposição a ruído apresentam zumbido. O barulho pode ser a causa mais provável do zumbido e este pode ou não ocorrer simultaneamente com perda auditiva. A maior parte dos pacientes que apresenta zumbido também tem problemas auditivos, mas uma pequena porcentagem (menos de 10%) tem audição dentro dos limites da normalidade.

O zumbido como resultado de exposição a ruído pode ocorrer subita ou muito gradativamente. Quando ocorre subitamente, é freqüentemente percebido a uma intensidade razoavelmente alta e pode persistir nesse nível permanentemente. Entretanto, para outros, o zumbido é temporário e não retorna mais.

Mais comumente, o aparecimento do zumbido induzido por ruído é gradual e intermitente em seus estágios precoces. Os pacientes referem escutar um padrão médio de zumbido por um curto período de tempo após uma exposição prolongada a sons intensos. Uma vez que o paciente deixa de escutar a fonte do ruído, o zumbido desaparece rapidamente e se torna inaudível até a próxima exposição. Este padrão intermitente freqüentemente continua por meses ou anos com períodos de zumbido se tornando cada vez mais longos. Se a exposição ao barulho continua, o zumbido freqüentemente aumenta de volume e torna-se constante.

A maioria dos pacientes que tem uma longa história de exposição a ruído refere um zumbido que é tonal em qualidade e de alta freqüência, que se assemelha aos tons externos acima de 3000 Hz.

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE AUDIÇÃO - O QUE VOCÊ DEVE FAZER

Afastar-se do barulho o máximo possível.

Usar protetor auditivo individual quando o barulho for inevitável ou não puder ser paralisado.

Reduzir o tempo que você se expõe ao barulho.

Reduzir o barulho em sua fonte.

COMO O ZUMBIDO AFETA VOCÊ

É comum para as pessoas com zumbido notarem um aumento nos seus zumbidos enquanto estão expostos ao barulho. Em função disto referem que não podem freqüentar locais populares, tais como concertos musicais, danças, festas e eventos esportivos. Elas não podem usar cortador de grama, serras, aspiradores de pó, processadores de comida, ferramentas elétricas e armas de fogo. Algumas pessoas tiveram que abandonar seus empregos ou mudar de função por causa do barulho relacionado ao trabalho. Num curto período de tempo após terem se afastado de suas funções, elas percebem que seus zumbidos retornaram aos seus níveis originais.

OUTRAS CONSEQUÊNCIAS À SAÚDE COM RELAÇÃO À EXPOSIÇÃO AO RUÍDO

O barulho é conhecido por ter efeitos nocivos não somente sobre a audição, causando estresse em todo o sistema circulatório, respiratório e digestivo. Exposição prolongada ao ruído pode causar dores de cabeça, cansaço e elevação da pressão arterial. O barulho pode interferir no aprendizado de crianças e até mesmo afetar uma criança por nascer.

Se você contribuir para a redução do ruído em seu ambiente, cada órgão de seu corpo, assim como das demais pessoas ao seu redor, estará sendo beneficiado.

Barulho e Seus Efeitos Sobre a Audição

Um dos mais graves problemas urbanos contemporâneos é o representado pela Poluição Sonora, causada pelo excesso de ruídos gerados pela circulação de veículos e má localização de aeroportos, indústrias e comércio. A natureza emergencial e localizada desse tipo de poluição tornou necessária a criação, pelo governo federal, de um programa que estabelecesse normas, métodos e ações para controlar o ruído excessivo e seus reflexos sobre a saúde e bem estar da população.

Assim, foi criado o Programa Nacional de Educação e Controle da Poluição Sonora - Silêncio, instituido pelo Conama através das Resoluções 01/90 e 02/90 e sob a coordenação do Ibama.

Objetivos do Programa

Capacitação técnica e logística de pessoal nos órgãos de meio ambiente estaduais e municipais em todo o país;

Divulgação, junto à população, de matéria educativa e conscientizadora dos efeitos prejudiciais;

Introdução do tema "Poluição Sonora" nos currículos escolares de 2º grau;

Incentivo à fabricação e uso de máquinas e equipamentos com níveis mais baixos de ruído operacional;

Incentivo à capacitação dentro da Polícia Civil Militar para combater a poluição sonora urbana;

Estabelecimento de convênios, contratos e atividades afins com órgãos e entidades que, possam contribuir para o desenvolvimento do Programa.

O que é poluição sonora?

É o conjunto de todos os ruídos provenientes de uma ou mais fontes sonoras, manifestadas ao mesmo tempo num ambiente qualquer.

Como os ouvidos não estão preparados para resistir a ruídos de alta intensidade por muito tempo, todos sofrem com a poluição sonora.

Os principais efeitos negativos são:

distúrbios do sono

estresse

perda da capacidade auditiva

surdez

dores de cabeça

alergias

distúrbios digestivos

falta de concentração

aumento do batimento cardíaco

Como colaborar para diminuir a poluição sonora?

Não acelere o carro quando parado

Evite o uso da buzina

Controle o volume do som em automóveis, residências, parques, ruas, etc...

Fale em tom moderado, principalmente em ambientes fechados

Regule frequentemente o motor do carro, de máquinas e equipamentos.

Selo Ruído

O Selo Ruído objetiva dar ao consumidor informações sobre o ruído emitido por eletrodomésticos, brinquedos, máquinas e motores, a fim de permitir a escolha do produto mais silencioso. Também busca incentivar a fabricação de produtos com menor nível de ruído.

Poluição Sonora e Sossego Público

Como sabemos existem muitas formas de poluição, cada qual com seus efeitos danosos ao meio ambiente. Entre elas está a poluição sonora, que também pode trazer gravíssimos danos principalmente ao ambiente humano. Na legislação ambiental, poluição, é definida no art. 3º, III, da Lei nº 6.938/81, como a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente prejudiquem a saúde, segurança e bem-estar da população; criem condições adversas às atividades sociais e econômicas; afetem desfavoravelmente a biota; afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente; lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos.

A poluição sonora dá-se por meio do ruído que é o som indesejado, sendo considerada uma das formas mais graves de agressão ao homem e ao meio ambiente. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o limite tolerável ao ouvido humano é de 65 dB (A). Acima disso o nosso o organismo sofre de estresse, o qual aumenta o risco de doenças. Com ruídos acima de 85 dB (A) aumenta o risco de comprometimento auditivo. Sabe-se também que, quanto mais tempo exposto, maior o risco da pessoa sofrer danos. Quanto a estes, dois fatores são determinantes para a sua amplitude: o tempo de exposição e o nível do barulho a que se expõe a pessoas ou pessoas, sendo de se observar que cada caso tem suas características e seu grau de conseqüência, o que exige estudos específicos para cada um.

Se a poluição sonora é restrita a uma determinada região ou área, o problema pode ser considerado localizado e às vezes de pequena proporção, mas quando ela atinge grande parte da cidade, como no caso de trânsito intenso e corredores de tráfego, a questão passa a ser mais ampla e generalizada, pois, além de ofender aos moradores próximos às vias públicas barulhentas, atinge também os que passam por elas, tornando-se assim um problema de saúde pública.

Na área trabalhista uma das principais causas da incapacidade funcional tem sido a perda da audição pela ocorrência do excesso de barulho no ambiente de trabalho, ou seja, pela poluição sonora a que se expõe o trabalhador. No âmbito doméstico a poluição sonora ocorre pela emissão de ruídos acima das especificações produzidas por eletrodomésticos.

Aliás, sobre a temática julgamos na Comarca de Diadema uma ação interessante. Um menor pleiteou indenização por danos psíquicos devido ao ruído prolongado produzido por latidos de cães de um canil da prefeitura próximo à sua casa. A perícia reconheceu o dano psiquiátrico, a ação foi julgada procedente e confirmada em segunda instância, o que mostra a amplitude de causas e formas de danos que a poluição sonora pode produzir.

A Lei nº 9.605/98 que trata de crimes ambientais, em seu art. 54, configura crime ‘‘causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar danos à saúde humana...’’, o que inclui nessa figura delituosa a poluição sonora, pelas conseqüências que produz, como dito. Por sua vez a Lei nº 8.078/90, Código do Consumidor, proíbe o fornecimento de produtos e serviços potencialmente nocivos ou prejudiciais à saúde (art. 10º), podendo-se considerar como tais os que produzem poluição sonora. Já a Resolução 008/93 — Conama estabelece limites máximos de ruídos para vários tipos de veículos automotores.

Assim, por se tratar de problema social e difuso, a poluição sonora deve ser combatida pelo poder público e pela sociedade. Individualmente com ações judiciais de cada prejudicado ou coletivamente mediante ação civil pública (Lei nº 7.347/85), para garantia do direito ao sossego público, o qual está resguardado pelo art. 225 da Constituição Federal, que diz ser direito de todos o meio ambiente equilibrado, o que não se pode considerar como tal em havendo poluição sonora, quer doméstica, urbana, industrial ou no trabalho.

INFRAÇÕES PENAIS AO MEIO AMBIENTE

INTRODUÇÃO

A imposição de sanções severas àqueles que dilapidam o meio ambiente deve ser exigida pela sociedade em geral. A proteção à natureza é uma causa a ser abraçada pela comunidade, e não, simplesmente, bandeira de grupos de ecologistas xiitas. Preservar o meio ambiente é assegurar a própria sobrevivência do homem. Hoje, mais do que nunca, está patente a necessidade de buscar o equilíbrio entre as forças produtivas da economia e os recursos naturais, para proporcionar o máximo de bem estar ao ser humano.

A Lei nº 9.605/98, sem dúvida, representou notável avanço no disciplinamento das infrações ambientais, apesar de possuir falhas, a serem corrigidas ao longo do tempo, a partir de sua aplicação na realidade concreta. Como aspecto positivo, pode-se salientar, em primeiro lugar, o fato de buscar a sistematização das infrações penais ao meio ambiente, antes previstas em leis esparsas. Destaque-se, ainda, a circunstância de que, atendendo apelos da sociedade, o diploma legal se reportou à responsabilização penal das pessoas jurídicas, tema nitidamente controvertido.

Analisando, um a um, os dispositivos da referida lei, verifica-se que a mesma cuidou, em seu art. 2º, de estabelecer que qualquer um que venha a concorrer para a prática do delito incide nas penas a ele cominadas, aí compreendidos o diretor, o administrador, o membro do conselho e de órgão técnico, o auditor, o gerente, o preposto ou mandatário de pessoas jurídica que, ciente do cometimento do delito, nada fez para impedi-lo. Criou, pois, o dever legal de tais pessoas de agir para evitar a consumação do crime.

No dispositivo seguinte, estabeleceu que a pessoa jurídica seria também responsabilizada criminalmente, se a infração foi praticada através de decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, em seu benefício, sem prejuízo da responsabilização das pessoas físicas. Alguns entendem que tal regra seria inconstitucional. Procurou-se evitar o embaraço decorrente da dificuldade em identificar quem determinou a agressão ambiental. A lei foi mais além, admitindo a desconsideração da pessoa jurídica, com a aplicação da "disregard doctrine", quando necessário.

SANÇÕES PREVISTAS – APLICAÇÃO

A Lei avançou na previsão de penas restritivas de direito, que são autonômas e substituem as privativas de liberdade, no caso de crime culposo ou se a pena privativa de liberdade for inferior a quatro anos, ou se a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do condenado, os motivos e as circunstâncias do crime o justificarem.

Tais penas restritivas são a prestação de serviços à comunidade (a título gratuito, junto a parques, jardins públicos e unidades de conservação, além da restauração do dano), interdição temporária de direitos (contratos com o Poder Público, incentivos fiscais, outros benefícios, participação em licitações, por 5 anos, se doloso, ou 3, se culposo o crime), suspensão parcial ou total de atividades (enquanto subsistir a ilegalidade), prestação pecuniária (pagamento à vítima ou entidade com fim social, de valor não inferior a 1 salário-mínimo, nem superior a 360 salários-mínimos – o valor será deduzido da indenização) e recolhimento domiciliar (fundamentado na auto-disciplina e senso de responsabilidade).

Como circunstâncias atenuantes, em caráter genérico, a Lei nº 9.605/98 faz menção ao baixo grau de instrução ou escolaridade, ao arrependimento (representado pela espontânea reparação do dano ou diminuição da degradação dele decorrente), à comunicação prévia do perigo iminente de degradação e colaboração com os agentes responsáveis pelo controle do meio ambiente.

São agravantes a reincidência em crimes de natureza ambiental, a intenção de auferir vantagem pecuniária, a coação a outra pessoa para a execução material do delito, a vulneração ou a ameaça grave à saúde pública ou ao meio ambiente, a provocação de danos à propriedade alheia, a lesão a áreas de unidades de conservação ou sujeitas a regime especial de uso, áreas urbanas ou outros assentamentos humanos, o cometimento do crime, em período de defeso à fauna, em domingos ou feriados, à noite, em época de seca ou inundações, em espaço territorialmente protegido, com o emprego de métodos cruéis para a captura ou abate de animais, mediante fraude ou abuso de confiança, com o abuso de direito de licença, permissão ou autorização ambiental, no interesse de pessoa jurídica mantida, parcial ou totalmente, por verbas públicas ou beneficiada por incentivos fiscais, atingindo espécies ameaçadas ou com o auxílio de funcionário público, no exercício de suas funções.

Com relação ao "sursis", pode ser aplicado se a pena privativa de liberdade não for superior a 3 anos. Dita o art. 17 que a reparação do dano deve ser constatada em laudo. Por outro lado, as condições a serem exigidas do condenado devem guardar correlação com a preservação ambiental. A multa será calculada de acordo com as regras da Lei Substantiva Penal e se insuficiente, pode ser aumentada em até 3 vezes. A perícia de constatação do dano ambiental, reza o art. 19, ao quantificar o prejuízo causado, será levada em consideração para a fixação da fiança e o cálculo da multa.

Conforme o artigo seguinte, a sentença penal condenatória estabelecerá o valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração, diante dos prejuízos dela decorrentes.

Quanto à responsabilização criminal das pessoas jurídicas, evidentemente, apenas lhe podem ser aplicadas, como sanções, a multa, a pena restritiva de direitos e a prestação de serviços à comunidade. A dita pena restritiva de direitos poderá importar em suspensão parcial ou total das atividades (se não estiverem obedecendo dispositivos legais ou regulamentares, referentes à proteção ambiental), interdição temporária de estabelecimento, obra ou atividade (se estiver em funcionamento sem a devida autorização, em desacordo com a mesma ou violando dispositivo legal ou regulamentar), ou na proibição de contratar com o Poder Público ou de obtenção de subsídios, subvenções ou doações, pelo prazo máximo de 10 anos.

A lei define, também, como se dará a aludida prestação de serviços à comunidade, a implicar o custeio de programas e projetos ambientais, a execução de obras de recuperação de obras degradadas, a manutenção de espaços públicos e contribuições a entidades ambientais ou culturais públicas. Se a empresa for instituída ou empregada, primordialmente, para permitir, facilitar ou ocultar a prática delitiva, será objeto de liquidação, com o confisco de seu patrimônio em favor do Fundo Penitenciário Nacional, por ser enquadrado como instrumento de crime. Este é um ponto positivo da Lei.

APREENSÃO IMEDIATA DO PRODUTO E DO INSTRUMENTO DO CRIME

Os produtos e instrumentos da infração penal serão apreendidos tão logo verificada a mesma, com a lavratura dos autos respectivos. Quantos aos animais, serão liberados em seu habitat próprio ou encaminhados a jardins zoológicos, fundações e entidades similares, devendo, neste caso, ficar sob a responsabilidade de técnicos habilitados. Os produtos perecíveis ou madeiras serão destruídos ou doados a instituições científicas, culturais ou educacionais. Os instrumentos empregados serão vendidos, após descaracterizados, mediante reciclagem.

PROCESSO PENAL

A Lei nº 9.605/98, de modo taxativa, estipula que a ação penal movida para a responsabilização pelas infrações ali previstas será pública incondicionada. A Lei nº 9.099/95 pode ser aplicada, com relação aos crimes ambientais que tenham menor potencial ofensivo, mas deverá ocorrer a prévia reparação do dano, exceto se isto for impossível. A extinção da punibilidade dependerá do laudo de constatação da reparação, ressalvada a hipótese de impossibilidade já mencionada. Se a reparação for parcial, o prazo de suspensão será prorrogado até o prazo máximo, acrescido de 1 ano, com a suspensão do prazo prescricional. Durante tal prazo de prorrogação, não serão aplicadas as condições estabelecidas nos incisos II, III e IV, do § 1º, do art. 89, da aludida Lei. Após findo, novo laudo de reparação será lavrado, podendo ser novamente prorrogado, também por até 1 ano, o prazo de suspensão do processo. A extinção, diante do término dos prazos, dependerá de laudo de constatação que demonstre que o acusado tomou todas as providências necessárias à reparação total do dano.

CRIMES CONTRA A FAUNA

Em primeiro lugar, a lei trata do crime cuja ação consiste em matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em imigração, sem a devida autorização da autoridade competente ou em desacordo com a mesma, punido com detenção de 6 meses a 1 ano e multa. Também sofre tal pena quem impede a procriação da fauna, sem permissão, modifica, danifica ou destrói ninho, abrigo ou criadouro natural, vende, expõe à venda, exporta ou adquire, guarda, tem em cativeiro ou depósito, utiliza ou transporta ovos, larva ou espécimes da fauna silvestre, além dos produtos ou objetos dela oriundos, provenientes de criadouros não autorizados ou sem a devida permissão da autoridade competente.

A lei prevê uma hipótese de perdão judicial, permitindo que o juiz deixe de aplicar a pena, se se tratar de guarda doméstica de espécie silvestre não considerada ameaçada de extinção. Este é um aspecto positivo do novo diploma legal.

O art. 29, § 3º, se reporta às espécimes da fauna silvestre. O parágrafo seguinte se reporta à forma qualificada do crime, a importar no aumento da pena de metade, caso seja cometido contra espécie rara ou ameaçada de extinção (ainda que apenas no local do delito), em período de caça proibida, durante a noite, com abuso de licença, em unidade de conservação, com emprego de métodos ou instrumentos capazes de provocar destruição em massa. A pena será aumentada até o triplo, se o crime decorrer do exercício de caça profissional.

O art. 30 se reporta à exportação de peles e couros de anfíbios e répteis em bruto, sem autorização da autoridade (reclusão de 1 a 3 anos e multa). O dispositivo seguinte define o delito de introdução de espécime animal no país, sem parecer técnico favorável e licença da autoridade, punindo-a com detenção de 3 meses a 1 ano e multa.

No art. 32, a Lei se refere à prática de abuso, maus tratos, ao ato de ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos (detenção de 3 meses a 1 ano e multa). Absurdamente, a pena é superior àquela imposta em caso de maus tratos contra seres humanos (detenção de 2 meses a 1 ano ou multa).

Pune com a mesma pena quem realizar experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos. A pena é aumentada, com o aumento de 1/6 a 1/3, se o animal morrer. Este dispositivo é criticado, pois é extremamente vaga a expressão "quando existirem recursos alternativos", podendo ocorrer a incriminação de cientistas que estejam desenvolvendo importantes pesquisas.

O art. 33 trata do delito consistente em provocar, pela emissão de efluentes ou carreamento de materiais, o perecimento de espécies da fauna aquática existentes em rios, lagos, açudes, lagoas, baías ou águas jurisdicionais brasileiras (detenção de 1 a 3 anos ou multa, ou ambas cumulativamente). Pune, com a mesma pena, quem provocar degradação em viveiros, açudes ou estações de aquicultura de domínio público, quem explora campos naturais de invertebrados aquáticos e algas, sem autorização, quem fundeia embarcações ou lança detritos sobre bancos de moluscos ou corais, demarcados em carta náutica.

O art. 34 estabelece o crime de pescar em período em que a pesca seja proibida (defeso) ou em lugares interditados pelo órgão competente (detenção de 1 a 3 anos ou multa, ou ambas cumulativamente). Pune, com a mesma pena, quem pescar espécies que devam ser preservadas ou com tamanho inferior ao permitido, em quantidade superior à permitida, com o emprego de aparelhos, técnicas e métodos não permitidos, e quem transportar, comercializar, beneficiar ou industrializar espécimes provenientes de coleta, apanha e pesca proibidas.

O art. 35 pune quem pescar com o emprego de explosivos ou substâncias que, em contato com a água, produzam efeito semelhante, substâncias tóxicas ou outro meio proibido, com reclusão de 1 a 5 anos. A Lei define pesca em seu art. 36.

Não pratica crime quem abate animal em estado de necessidade (fome do agente ou de sua família), para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória ou destruidora de animais, desde que autorizado pela autoridade, ou por ser nocivo o animal, conforme a autoridade competente. Miguel Reale critica pois, em tais situações, o agente não poderia provocar a autoridade administrativa, em tempo hábil a permitir a sua ação, de forma lícita.

CRIMES CONTRA A FLORA

O art. 38 se reporta ao crime de destruir ou danificar floresta de preservação permanente, mesmo que em formação, ou utilizá-la, em desacordo com as normas de proteção (detenção de 1 a 3 anos ou multa, ou ambas cumulativamente). Se o crime for cometido a título culposo, a pena é reduzida à metade.

O art. 39 define como delito o ato de cortar árvores em floresta considerada de preservação permanente, sem permissão da autoridade (a pena é idêntica ao crime do artigo anterior). O art. 40 trata do crime consistente em causar dano direto ou indireto às unidades de conservação e às áreas de que trata o art. 27, do Decreto nº 99.274/80, independentemente de sua localização. A norma foi imprecisa, pois não se compreende o que é dano indireto.

Define, no § 1º, o que é Unidade de Conservação, de modo amplo, gerando insegurança entre os destinatários da norma. Se o dano atingir espécies ameaçadas de extinção, a pena será majorada por força de agravante. Se o crime for culposo, a pena será reduzida pela metade. Miguel Reale também critica esta regra, pois, seria punido, por exemplo, um ciclista que colidisse com uma mureta do Parque do Ibirapuera em São Paulo, e, por outro lado, seria difícil saber o que é causar dano indireto por imprudência.

O art. 41 trata do ato de provocar incêndio em mata ou floresta (reclusão de 2 a 4 anos e multa). Se culposo, a pena será de detenção de 6 meses a 1 ano e multa. O art. 42 penaliza, especificamente, quem fabrica, vende, transporta ou solta balões que possam provocar incêndios em qualquer forma de vegetação, nas áreas urbanas e outros assentamentos urbanos (detenção de 1 a 3 anos ou multa, ou ambas cumulativamente).

É crime extrair de florestas de domínio público ou consideradas de preservação permanente, sem prévia autorização, pedra, areia, cal ou qualquer espécie de minerais (detenção de 6 meses a 1 ano e multa). O art. 45 cuida do crime de cortar ou transformar em carvão madeira de lei (classificada assim pelo Poder Público), para fins industriais, energéticos ou qualquer exploração, econômica ou não, em desacordo com a lei (reclusão de 1 a 2 anos e multa).

O art. 46 prevê o crime de receber ou adquirir, para fins comerciais ou industriais, madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem exigir a licença da autoridade competente e sem munir-se da via que deverá acompanhar o produto até ser beneficiado (detenção de 6 meses a 1 ano e multa). Também incide na mesma pena quem vende, expõe à venda, tem em depósito, transporta ou guarda madeira, lenha carvão ou outro produto de origem animal, sem licença válida pelo tempo de viagem ou armazenamento.

É crime, conforme o art. 48, o ato de impedir ou dificultar a regeneração natural de florestas e outras formas de vegetação (detenção de 6 meses a 1 ano e multa).

O art. 49 define a infração consistente em destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedade privada alheia (detenção de 3 meses a 1 ano ou multa, ou ambas cumulativamente). Se o crime for culposo, a pena é de detenção de 1 a 6 meses e multa. Miguel Reale critica esta regra, por penalizar que, por exemplo, pisa, sem querer, no jardim do vizinho.

O art. 50 trata do crime de destruir ou danificar florestas nativas ou plantadas ou vegetação fixadora de dunas, protetora de mangues, objeto de especial preservação (detenção de 3 meses a 1 ano e multa). Conforme o art. 51, é delito o ato de comercializar motosserra ou utilizá-la em florestas e outras formas de vegetação, sem autorização da autoridade (detenção de 3 meses a 1 ano e multa).

Também é crime, segundo o artigo seguinte, o simples ato de penetrar em Unidades de Conservação, conduzindo substâncias ou instrumentos próprios para caça ou para exploração de produtos ou subprodutos florestais, sem licença da autoridade (detenção de 6 meses a 1 ano e multa).

Os crimes contra a flora, a pena será aumentada de 1/6 a 1/3 (causa de aumento da pena), se do fato resultar a diminuição de águas naturais, a erosão do solo ou a modificação do regime climático, se o crime é cometido na época da queda das sementes, da formação de vegetações, de secas ou inundações, durante a noite, em domingos ou feriados, ou contra espécies raras ou ameaçadas de extinção, mesmo que somente no local da infração

CRIMES DE POLUIÇÃO E OUTROS CRIMES AMBIENTAIS

O art. 54 cuida do crime de causar poluição de qualquer natureza, em níveis que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora (reclusão de 1 a 4 anos e multa). Se for culposo, a pena é de detenção de 6 meses a 1 ano e multa. O agente será punido com pena de reclusão de 1 a 5 anos se o delito tornar uma área, urbana ou rural, imprópria para a ocupação humana, causar poluição atmosférica que provoque a retirada, mesmo que temporária, dos habitantes da área atingida ou cause danos diretos à população, causar poluição hídrica que torne necessária a interrupção do abastecimento público de água de uma comunidade, dificultar ou impedir o uso público das praias (aspecto bastante positivo), ocorrer pelo lançamento de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos ou detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com as exigências legais ou regulamentares. Também sofre a mesma sanção quem deixar de adotar medidas de precaução impostas pela autoridade, em caso de risco de dano ambiental grave ou irreversível.

O Juiz Federal Ivan Carvalho, em artigo, oportunamente criticou o art. 54, que trata da poluição, que repetiu o mesmo erro do art. 15, da Lei nº 6.938/81, por ter sido genérico, não definindo, com precisão, os destinatários da norma.

O art. 55 pune com detenção de 6 meses a 1 ano e multa quem executar pesquisa, lavra, ou extração de recursos minerais, sem a pertinente autorização ou em desacordo com a mesma. Tal pena também é imposta a quem deixa de recuperar a área pesquisada ou explorada, nos termos da permissão.

O art. 56 prevê o crime de produzir, processar, embalar, importar, exportar, comercializar, fornecer, transportar, armazenar, guardar, ter em depósito ou usar produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva à saúde humana ou ao meio ambiente, em desacordo com as exigências legais ou regulamentares (reclusão de 1 a 4 anos e multa). Sofre igual pena quem abandona os referidos produtos ou substâncias ou os utiliza sem a observância das normas de segurança. Se for nuclear ou radioativa, a pena é majorada de 1/6 a 1/3. Caso o crime seja culposo, a pena é de detenção de 6 meses a 1 ano e multa.

Nos crimes dolosos referentes à poluição, as penas serão aumentadas, de 1/6 a 1/3, se resultar em dano irreversível à flora ou meio ambiente em geral, de 1/3 à ½, se resultar em lesão corporal grave de alguém, do dobro, se provocar a morte de alguém. Esta regra se aplicar se do fato não resultar delito mais grave.

É crime, de acordo com o art. 60, o ato de construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente poluidores, sem licença do órgão competente ou contrariando as normas legais ou regulamentares (detenção de 1 a 6 meses ou multa, ou ambas cumulativamente).

Finalmente, o art. 61 trata da infração penal consistente em disseminar doença ou praga ou espécies que possam causar dano à agricultura, à pecuária, à fauna, à flora e aos ecossistemas (reclusão de 1 a 4 anos e multa).

CRIMES CONTRA O ORDENAMENTO URBANO E O PATRIMÔNIO CULTURAL

O art. 62 cuida do crime de destruir, inutilizar ou deteriorar bem especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial, arquivo, registro, museu, biblioteca, pinacoteca, instalação científica ou similar protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial (reclusão de 1 a 3 anos e multa). Se o crime for culposo, a pena é de detenção de 6 meses a 1 ano e multa.

Os artigos seguintes (63 e 64) tipificam as condutas de alterar o aspecto ou a estrutura de edificação ou local especialmente protegido, ou promover construção em solo não edificável ou no seu entorno, em face de seu valor paisagístico, ecológico, turístico, artístico, histórico, cultural, religioso, arqueológico, etnográfico ou monumental, sem autorização ou em desacordo com a mesma.

O art. 65, em boa hora, pune quem pichar, grafitar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano (detenção de 3 meses a 1 ano e multa). A pena será de 6 meses a 1 ano de detenção e multa, se for atingido monumento ou coisa tombada em face do valor arqueológico, artístico ou histórico.

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL

O art. 66 versa sobre o crime de fazer o funcionário público afirmação falsa ou enganosa, omitir a verdade, sonegar informações ou dados técnicos-científicos em procedimentos de autorização ou de licenciamento ambiental (reclusão de 1 a 3 anos e multa).

O dispositivo seguinte narra a conduta de conceder o funcionário público autorização em desacordo com as normas, no que se refere a atividades, obras e serviços que dela dependam. A pena será de detenção de 1 a 3 anos e multa. Sendo culposo, a pena é de 3 meses a 1 ano de detenção e multa. Miguel Reale critica este dispositivo. Não compreende também como seria tal forma culposa.

O art. 68 prevê a punição de detenção de 1 a 3 anos e multa, para aquele que deixar de cumprir obrigação de relevante interesse ambiental, tendo o dever legal ou contratual de fazê-lo. Sendo culposo, a pena é de 3 meses a 1 ano de detenção e multa. Finalmente, é crime, conforme o art. 69, o ato de obstar ou dificultar a ação fiscalizadora do Poder Público no trato de questões ambientais (detenção de 1 a 3 anos e multa).

COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL

Nos termos da Constituição Federal, apenas seria competente para os crimes contra a fauna, caso se trate de animais silvestre, já que os mesmos são de propriedade da União. Se houver, por exemplo, maus tratos a animal doméstico ou o seu emprego em experiências científicas, a competência será da Justiça Estadual.

Algumas das contravenções previstas no Código Florestal (Lei nº 4.771/65) foram transformadas em crimes. Isto modificou a situação, já que a Justiça Federal não aprecia as contravenções cometidas em detrimento de bens serviços ou interesses de âmbito federal. Logo, se, v.g., uma floresta danificada estiver inserida em um Parque Nacional, o crime é da competência da Justiça Federal.

Quanto à poluição, é crime federal aquele previsto no art. 55 (pesquisa, lavra ou extração de recursos minerais sem autorização ou em desacordo com a mesma. No que concerne aos crimes contra o ordenamento urbano e o patrimônio cultural, se o bem atingido for público federal ou particular, mas tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional, a competência para apreciá-lo é da Justiça Federal.

Quanto aos crimes contra a administração ambiental, a dita competência apenas se caracteriza se o agente for servidor público federal ou se o delito for cometido pelo particular contra a Administração Federal. O Congresso Nacional pretendia que todos os delitos descritos na lei fossem apreciados pela Justiça Federal, mas o dispositivo que assim estipulava foi vetado por inconstitucionalidade pelo Presidente da República.

Fonte: www.conhecimentosgerais.com.br

Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambiente-poluicao-sonora/poluicao-sonora-31.php#ixzz1wS3mc4tuA